terça-feira, 9 de setembro de 2008

Saudades...cidade dos bons ares...

Nove segundos pra fazer um gol! Ficou pra história da libertadores. Não foi meu time. Mas meu time ganhou ontem. Os nomes dos jogadores? Marcos, Valdívia... O do cabelo que era grande, sorte não ser Sansão... Os outros? Não lembro. Não sou de jogo, mas quando assisto, ele ganha.
“Um amuletinho da sorte”. Lembro-me como ontem...Botucatu, as amigas dizendo. Passa pelas casas. Deixa coisas boas. Pena não poder voltar nessas férias. Precisava carregar minhas baterias com vocês todos. Vocês trazendo sempre coisas boas. Sem maldade. Aquele sentimento acolhedor. De entrega. Sinceridade. As praças. Violões. Sorvetes. O largo da Catedral. As pombas! Lembra-se? “Tinha uma pomba no meio do caminho, no meio do caminho tinha uma pomba...” rsrsrs. Faz falta...
Queria sentar no banco do passageiro, ver a Loira dirigindo. Veria em nós duas pokemons (como em nós xuxua!) rsrs. Rir. Rir muito! Até cair no chão de tanto rir! (a lagartixa, lembra?). Lei seca? Que bom! A gente não bebe mesmo. Nem o Davi. E o meu? Será que ele bebe? Será que dirige? Qual será o formato das suas mãos?

Um comentário:

Gabriel Marchioli disse...

Como se não houvessem medos, sintonia perfeita relevante.
E os olhos nem precisam estar abertos. Segura na mão do outro. Não existe traição. Somo todos puros. Um, dois, tres corações... mas todos puros. E o brilho ainda existe? Ou a verdade e sabedoria destruiu o mais belo: a esperança. Vamos tomar sorvete as dez da noite? A lua nos guiará...